Exposições Casa da Cultura da América Latina

by - 2.12.14



Paula Scamparini tem exposto seu trabalho principalmente fora do Brasil. Este ano realizou individual em Munique e, até 5 de janeiro de 2015, participa da coletiva IDOL no Kunstlerhaus Wien, em Viena. Ano que vem estão previstas  ainda mostras individuais no Rio (IBEU/ em março), em Lisboa (CarpeDiem Arte e Pesquisa), e em Viena (GPL Contemporary), e coletivas em Havana e Munique.



Diz a curadora da apresentação da exposição: “...Num lapso, há breu na sombra entre as folhas, há carapuças estranhas sinistras à espreita, o lago nos olha como espelho sem lua e ao farfalhar dos galhos o medo se esconde e pulsa... ... almejando um mergulho na natureza (aqui também, arte), sublimo o pequeno diante do grande!”.

Galeria Acervo
Desenhos computacionais e fotografias compõem Constelações

A aproximação entre os trabalhos de Nikoleta Kerinska e Beatriz Rauscher está no interesse comum de criar imagens, através de passagens entre diversos processos poéticos, sejam eles gráficos, fotográficos, digitais ou computacionais. Essas imagens não procuram mimetizar o mundo, mas revelar uma realidade transfigurada pelas especificidades dos modos técnicos utilizados.

A série “Interfaces” de Nikoleta Kerinska, integralmente concebida no computador, e um conjunto de quatro trabalhos compostos por séries de fotografias impressas de Beatriz Rauscher, que ela batizou “Parallel mirrors (Espelhos paralelos)” compõem a exposição Constelações, que será aberta ao público na galeria Acervo da CAL.

Entre os elementos gráficos, inspirados em ilustrações do sistema neuronal, que compõem os desenhos computacionais de Nikoleta e as paisagens estrelares de Beatriz Rauscher constitui-se uma narrativa visual, na qual, de maneira metafórica, dialogam o microcosmo do neurônio ciência e o macrocosmo do universo.

Segundo as pesquisas recentes em neurociência, o cérebro é composto por aproximadamente 100 bilhões de neurônios e 100 bilhões de células glia – número que corresponde aproximadamente à quantidade de estrelas na nossa galáxia. A ideia de pensar as realidades que escapam ao olho humano e de abordá-las de forma poética determina a proposta artística dessa exposição.

Professoras e pesquisadoras da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Nikoleta Kerinska é artista multimídia, doutora em Artes Plásticas e Ciência da Arte na Universidade de Paris I Panthéon – Sorbonne. Sua pesquisa e produção artística têm como enfoque a concepção de projetos artísticos por meios computacionais. Beatriz Rauscher é doutora em Poéticas Visuais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e líder do grupo de pesquisa Poéticas da Imagem da UFU. Realizou diversas exposições de seus trabalhos artísticos, ligados às questões da espacialização em imagens fotográficas impressas e imagens projetadas.

Galeria de Bolso
Artista fluminense capta em imagens comportamento de pessoas nas grandes cidades

Nas suas andanças pelo mundo, Luciano Vinhosa tem conseguido de forma obsessiva captar em imagens gestos das pessoas que deixam sua marca nos espaços urbanos por onde circulam. Dessa observação nasceu o projeto O pequeno gesto (ensaio em torno da experiência ordinária), que poderá ser apreciado na galeria de Bolso da CAL, a partir dos primeiros dias de dezembro.

Essas intervenções obsessivas empreendidas pelo usuário urbano em seu cotidiano são formadas por objetos “ordinários e desprezíveis” como garrafas de água mineral, de cerveja, latas de refrigerantes, copos descartáveis, guardanapos, caixas de papelão, restos de alimentos, entre outros dejetos – que foram consumidos, depois abandonados em qualquer lugar das cidades por onde perambulam - como cantos de calçada, árvores, lanças de grade e portões.

Para Vinhosa, associados, objeto e lugar, formam “situações” que refletem o comportamento mais ou menos padronizado do homem urbano civilizado, constrangido por uma espécie de ordem sub-reptícia. “No discurso que organiza, O pequeno gesto induz a uma discreta ficção, um mundo relacional íntimo e silencioso em que a imaginação toma lugar privilegiado”, ressalta.
A mostra na CAL é composta por duas projeções simultâneas e contínuas de 75 imagens desses objetos  nas paredes de fundo da galeria. Luciano dividiu as imagens em 15 tipos  poéticos: Aqui – Ali- Assim – Lá - Assinaladas – Dádivas – Do lado de cá – Do lado de lá – Enfiadas –Guardadas –Imitação da arte – Lançadas fora – Mallembradas – Oportunidades e Parassempre.

Luciano Vinhosa é professor  do Departamento de Arte e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes  da Universidade Federal Fluminense (UFF). Autor de várias publicações, participou de várias intervenções urbanas e individuais.  Em 2013, fez parte da coletiva Conectividades na Galeria de Arte da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (Portugal).

Serviço

Exposições CAL
Abertura: dia 3 de dezembro (quarta-feira), às 19h
Local: Galeria CAL (subsolo), Acervo (2º andar) e de Bolso
SCS Quadra 4, Edifício Anápolis. Telefone61 3321.5811
Visitação: até  10 de janeiro de 2015, todos os dias, das 9h às 19h
Entrada franca
Classificação: Livre

Posts relacionados

0 comentários

Obrigada pela visita!!!