CCBB BRASÍLIA APRESENTA A EXPOSIÇÃO “HORIZONTES DA ARTE NA AMÉRICA LATINA E CARIBE”

by - 11.8.16



A exposição “Horizontes da Arte na América latina e Caribe”, foi concebida com o intuito de apresentar ao público brasileiro um recorte da poética dos países da região e ocupa de 17 de agosto a 24 de outubro de 2016 a Galeria 3 do Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília, reunindo um panorama parcial, a partir dos acervos de representações diplomáticas situadas em Brasília e de obras disponibilizadas pelos Governos de cada país participante. 



Composta por mais de 60 obras de 19 países, entre pinturas, gravuras e desenhos, a mostra está dividida em 03 eixos:  Das coisas: inventários do mundo, Do horizonte: as paisagens, Dos retratos: os rostos, os corpos e suas marcas. A exposição tem patrocínio do Banco de Desenvolvimento da América Latina é patrocinador da exposição (CAF).

As obras de artistas significativos de cada país estarão presentes na exposição, como: Alfredo Valenzuela Llanos – Chile, Angio Dario Banegas – Honduras, Antonio Bandeira – Brasil, Bernard Sejourne – Haiti, Camilo Mori – Chile, Carlos Eduardo Monsalve Mejía –  Equador, Carlos Maria Herrera – Uruguai, Cicero Dias – Brasil, Costigliolo – Uruguai, Denis Nunez – Nicarágua, Di Cavalcante – Brasil, Diego Rivera – México, Elmar Rosas – Guatemala, Frank Etienne – Haiti, Frantz Zepherin – Haiti, Gaston Ugalde Castro – Bolivia, Gerardo Murillo – México, Gonzalo Ariza – Colombia, Gonzalo Cienfuegos – Chile, Gregório Choque Laura – Bolivia, José Clemente Orozco – México, Juan Antonio Roda – Colombia, Leticia Banegas – Honduras, Laura Baez – Nicarágua, Lionel Laurenceau – Haiti, Luis Seonae – Argentina, M. de Vita – Uruguai, Maria Leontina – Brasil, Nemésio Antúnez – Chile, Oswaldo Guayasamín Calero – Equador, Pailos – Uruguai, Pedro Caballero – Peru, Rafael Castelon – Nicarágua, Rafael Damiani – Uruguai, Roberto Aizemberg – Argentina, Sérgio Montecino – Chile, Tomie Ohtake – Brasil, Torrallardona – Argentina e Vicente Martin – Uruguai estarão na exposição.

O objetivo é quebrar o paradigma do extremo desconhecimento mútuo.  Conhecer os vizinhos é um problema que se mantém há muito tempo. Por séculos, na verdade, pois durante a colonização espanhola e portuguesa só era possível ter notícia do “vizinho” – da Nova Espanha (México) à Nova Granada (Colômbia, Panamá, Venezuela e Equador), por exemplo – a partir de Madri ou de Lisboa, os “centros”. Por décadas, pois durante as ditaduras todos os esforços de uma escrita Histórica e de uma arte conjunta foram vedados. 

O desconhecimento mútuo não é gratuito, os diferentes regimes encarregaram-se de cortar sistematicamente os vínculos.
A arte latino-americana e caribenha participa de uma cultura a ser descoberta, conquistada. Ao visitante deixamos a tarefa de criar seu próprio percurso, suas indagações e estender os limites desse regionalismo. Envolver-se com essa pluralidade de culturas e aproximar-se da identidade de cada país.

Não se trata de um estudo aprofundado da produção artística da América Latina. A ideia foi criar uma visão parcial a partir dos os acervos das representações diplomáticas situadas em Brasília e de obras disponibilizadas pelos Governos de cada país participante.

Serviço:

Exposição “Horizontes da Arte na América latina e Caribe”
Composta por 60 obras de 19 países

Local: Centro Cultural Banco do Brasil Brasília
SCES, Trecho 02, lote 22
CEP: 70200-002 | Brasília (DF)

Galeria 3

Tel.: (61) 3808-2052

Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21h

Entrada gratuita

Classificação indicativa: livre

Abertura para o público:17/08 (quarta-feira) às 9h

Período da exposição: 17 de agosto a 24 de outubro

Posts relacionados

0 comentários

Obrigada pela visita!!!